Budismo - Sangha Online
DÚVIDAS SOBRE O BUDISMO?

Registre-se e nos envie sua pergunta que talvez possamos ajuda-lo, independente de sua religião!
Todos são bem-vindos para dialogarem e pesquisarem aspectos do Budismo. Registrando-se você poderá enviar suas dúvidas particularmente à Administração ou à Comunidade, como exemplos:

No Budismo não podemos ter desejos?
Como o Buddha comia carne? E o vegetarianismo?
O Nirvana é o vazio? É eterno e é uma extinção do ser?
O que significa não-eu? O Budismo é niilista?
O que é prazer no Budismo? E paz interior?
Budismo crê em Devas, logo ele é Politeísta?
No Budismo nos isolamos? Como se relacionar com pessoas?
Como meditar? Budismo crê em super-poderes?!
Posso praticar sem crer no renascimento?
Budismo é religião ou filosofia? Por que há tanta idolatria?


Dialogue sobre essas e outras questões aqui.


Comunidade dedicada a simpatizantes e seguidores (de todas as escolas) do Budismo, visando à pesquisa e ao diálogo. Participe!
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Se você já se registrou, apresente-se aqui e tire suas dúvidas sobre Budismo!
Registre-se para expor seus pontos de vista - isso independe de sua religião!
Bem-vindo
Bem-vindo ao Fórum Sangha Online!

Registre-se para dialogar com outras pessoas interessadas no Budismo e para ter acesso a todo o conteúdo para pesquisa sobre o mesmo.

Qualquer dúvida, ficaremos felizes em ajudar!
Últimos assuntos
» Sobre este Fórum: Dúvidas sobre o Budismo
por  Nove
Ontem à(s) 22:21

» Apresentação
por  Nove
Ontem à(s) 21:12

» preciso de um esclarecimento aqui, por favor
por  frank Knarf
Seg 13 Nov 2017 - 21:35

» [Vídeo] O Fim do Mundo: Vidamorte
por  jean F Carvalho
Sab 28 Out 2017 - 22:10

» Sutra de Lótus / BSGI
por  Administrador
Qui 26 Out 2017 - 20:49

» Grupo, sobre Budismo, no Whatsapp
por  Buddho
Sab 21 Out 2017 - 22:23

» FELIZ NATAL! Mas... Budistas podem comemorar o Natal?
por  frank Knarf
Seg 16 Out 2017 - 11:14

» apresentaçao
por  Administrador
Sab 14 Out 2017 - 20:23

» Dharma e Lamrim
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 23:20

» Dúvida sobre a NÃO ação
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 23:11

» Caridade baseada em desejos mundanos
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 22:57

» Olá!!!!!
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 22:45

Geral
Quem somos
Regras Gerais
Apresente-se
Precisa de ajuda?
Por que Sangha Online?
O Básico do Budismo
Introdução ao Budismo
A Vida de Buda
Tire suas Dúvidas!
O que o Budismo não é
Como meditar
5 Preceitos para Virtude
Meditação altera genes
Dúvidas Frequentes
Budismo é religião?
Budismo é ateísta?
Como virar budista?
O que é Fé no Budismo?
Preciso ser vegetariano?
O que significa o Lótus?
Votação
Atualmente, qual preceito você tem mais dificuldade para manter?

 
Abstenção de matar intencionalmente.

 
Abstenção de tomar o que não foi dado (roubar).

 
Abstenção de conduta sexual imprópria.

 
Abstenção de linguagem incorreta.

 
Abstenção de tomar álcool e outros embriagantes.
Exibir resultados
Quem está conectado
1 usuário online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e nenhuma Visita :: 1 Motor de busca

Nove






Compartilhe | .
 

 Não elogie o Budismo - diga que ele pode estar errado! Quem sabe?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Administrador

Admin
avatar

Masculino
Local : SP
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 485

Mensagem Qua 6 Nov 2013 - 22:12

Não elogie o Budismo - diga que ele pode estar errado! Quem sabe?
Uma das melhores formas de combater seus desejos e apegos é fazer exatamente o oposto do que eles tentam induzir sua mente a realizar. Portanto, se você tem problemas em querer elogiar demais o Budismo, considere a possibilidade dele estar errado!
Desde que adquiri um conhecimento razoável do Budismo, tive problemas com um certo "orgulho" acerca da grandeza do Dhamma do Buddha, e essa kilesa (traduzido do páli: contaminação) se manifestou predominantemente sobre minha pobre mãe, que permanece católica. Com intenções inicialmente hábeis, eu sempre quis que ela se dispusesse a conhecer um pouco mais o Budismo para que ela pudesse entender um caminho admirável que conduzia à paz no aqui e agora, só que essa "intenção hábil" costumava estar permeada por presunção.
Isso porque eu tentei convencê-la a se interessar pelo Budismo usando atitudes muito tolas, arrogantes e orgulhosas, tentando apontar todos os elogios do Budismo e até mesmo coisas que o Budismo possuiria e o Cristianismo não. Mas, com a prática e com o consequente incremento de sati, Atenção Plena, eu comecei a perceber como eu estava praticando Linguagem Incorreta e, assim, comecei a tomar mais cuidado com esses atos feitos através do corpo, palavras através da linguagem e pensamentos através da mente. De fato essas atitudes reduziram bastante, mas recentemente me deixei submeter por esse tipo de contaminação mais uma vez!
Já não me lembro bem como cheguei a dizer aquilo - não surpreende, porque é justamente quando não estamos atentos (ou seja, quando a faculdade de sempre se lembrar da Atenção Plena está frágil) que nos deixamos ser escravizados pelas nossas kilesas! Só me lembro que, subitamente, eu comentei: "Sabia que a habilidade de andar sobre as águas já estava indicada nas escrituras budistas antes da Bíblia?". Instantes depois "eu" percebi aquilo, a Atenção Plena se reestabeleceu e "eu" me questionei: "Qual foi a minha intenção ao dizer isso? Que valor tem isso?", mas a resposta para mim já estava óbvia - eu estava sendo arrogante, tentando mostrar que eu seguia uma religião superior. Ela me questionou se eu acreditava nesse poder, e eu respondi "Quem sabe", percebendo que deveria parar de falar. Depois disso eu me calei e, com o fim do comercial que estávamos assistindo na TV, nos voltamos a assistir o filme em curso e o debate cessou ali mesmo.
Depois, eu me alertei devidamente que aquele ato era fabricado, impermanente, arrogante e fútil; indigno de pessoas interessadas em adentrar ao caminho dos Ariyas (nobres que alcançaram um dos 4 estágios da Iluminação) e que me traria mais sofrimento do que o pequeno prazer de se achar melhor - digo isso para incentivá-los a praticarem da mesma forma, pois, através disso, desenvolvemos hiri-otappa: hiri significa vergonha de cometer transgressões (isso não é desenvolver remorso para si mesmo, não é questionar a si como indivíduo, mas o seu ato: isso é digno de pessoas dedicadas à sabedoria?) e otappa significa temor de cometer transgressões (percebendo o sofrimento nessas coisas, nos alertamos a evita-las pelo nosso próprio bem e pelo bem dos outros); com isso, Sati é reforçada e educada a saber a que coisas estar alerta, afinal, naquele momento ela não esteve alerta! rs
Com a advertência devidamente realizada, eu pensei que maneira poderia ser mais hábil para que eu lidasse com aquela situação. Ao me lembrar que ela me perguntara se eu acreditava nesse tipo de poder, eu percebi que poderia ter dito que talvez tudo isso fosse mentira, e que era possível que o Budismo estivesse errado nesse aspecto, por que não? Afinal, não vi ninguém andando sobre as águas por mim mesmo! Foram apenas minhas contaminações querendo usar isso para ganhos fúteis, uma vez que declarações como essas não devem ser fundamentadas em filosofias ou fés vagas, mas no conhecimento pessoal (se é que devem ser declaradas!); como mostrado no seguinte trecho em que um monge questiona ao outro se ele tem conhecimento empírico, e não apenas baseado em especulações, acerca da Origem Dependente:
[Venerável Pavittha]: “Musila, meu amigo, colocando de lado a fé, colocando de lado a preferência, colocando de lado a tradição, colocando de lado a razão, colocando de lado as ideias, você verdadeiramente possui conhecimento pessoal assim: ‘Do nascimento como condição, o envelhecimento e morte [surge]’?” - (retirado de Kosambi Sutta - acessoaoinsight)
Portanto, dizer que o Budismo podia estar errado teria sido uma maneira efetiva de contra-atacar minhas kilesas, reduzir o meu orgulho e ir contra meus apegos - se você quer exibir o Budismo com alguém com orgulho, contra-ataque e diga: "Se bem que o Budismo pode ter muitas coisas erradas... Talvez eu esteja seguindo uma religião cheia de defeitos, quem sabe?!". No Anusota Sutta, Buddha alertou que não devemos ir com a correnteza! O que ele quis dizer com isso? Que não devemos ser indulgentes com os nossos desejos, caso contrário você perderá a sua vida seguindo cegamente seus apegos por coisas impermanentes e colherá arrependimento lá no final, vendo que todo o prazer que você buscou foram coisas que surgiram e acabaram que você não levará depois da morte. Que valor real há nisso? É por isso que a Contemplação da Morte é um meio maravilhoso de aguçar Sati e estimular a prática de Sila (Virtude)!
Além disso, que valor eu estava passando a minha mãe? Eu gostaria que ela conhecesse o Budismo, porque tenho visto por mim mesmo que ele é um método de prática que conduz à paz e à libertação do sofrimento, mas se ela não quer conhecer, não vai conseguir praticar, não é? Tentar induzi-la a isso é agir infectado por cobiça e várias outras contaminações que apenas nos prendem ao Samsara. Portanto, aquela bronca foi de grande valor, tanto por mim quanto por ela, porque a Linguagem que usei com minha mãe foi totalmente incorreta - não havia intenção benéfica ali.
Assim sendo, espero que esse pequeno momento recente sirva de estímulo a você. Aliás, permita-me compartilhar mais uma coisa: no momento em que decidi escrever esse post, um pensamento surgiu: "Todos verão como eu pratico corretamente!", mas dessa vez Sati já estava presente e percebeu essa contaminação logo antes dela surgir. Não é engraçado? Essas kilesas não nos dão um minuto de folga! Mas não, isso não é engraçado - isso é perigoso! Contemplem isso para terem o temor de serem orgulhosos e poderem se libertar do sofrimento.
Eu poderia ter utilizado a filosofia de ir contra a correnteza e não fazer esse post, indo contra o meu apego arrogante supracitado, mas eu preferi dar uma boa bronca em mim até que eu estivesse seguro de fazer esse post sem intenções inábeis, visto que o vejo como um bom exemplo de como devemos ter cuidado com nossas mentes no dia a dia, como devemos agir e nos interrogarmos quando Sati perceber o erro, que contemplações realizar e quais qualidades desenvolver para nos libertarmos do sofrimento. Espero que esse exemplo singelo possa ser esclarecedor para muitos... Mas, se você achar que ainda há algum erro nesse post ou na minha prática, me avise! Não vou ficar falando que esse post é maravilhoso como o Budismo - ele pode estar errado! Quem sabe? rs
Não devemos nos envolver em rixas e debates a fim de defender nossos conhecimentos com uma mente permeada por cobiça e arrogância, porque isso é uma intenção inábil que não agrega qualidades benéficas a ninguém. Podemos falar sobre o Budismo para outras pessoas, mas somente com intenções hábeis. Buda nos disse que não devemos nos alegrar se o Budismo for elogiado, nem devemos nos entristecer se ele for criticado. Apenas devemos dizer o que o Budismo é e não é com intenções benéficas.
[Buda]: "Bhikkhus, se alguém falar difamando o Buda, o Dhamma ou a Sangha, vocês não deveriam ficar com raiva, ressentimento ou perturbação por conta disso. Se vocês ficarem com raiva ou descontentes, isso será apenas um obstáculo para vocês. Pois se outros difamam o Buda, o Dhamma ou a Sangha e vocês ficarem com raiva ou descontentes, será possível que vocês saibam se aquilo que eles dizem é correto ou não?
[Bhikkhus]: Não, venerável senhor.
[Buda]: Se alguém difamar o Buda, o Dhamma ou a Sangha, então vocês devem explicar aquilo que é incorreto como incorreto, dizendo: ‘Isso é incorreto, isso é falso, esse não é o nosso modo, esse tipo de coisa não é encontrada no nosso meio’.
"Mas, bhikkhus, se alguém falar elogiando o Buda, o Dhamma, ou a Sangha, vocês não deveriam ficar satisfeitos, contentes ou exultantes por conta disso. Se vocês ficarem satisfeitos, contentes ou exultantes com o elogio, isso será apenas um obstáculo para vocês. Se alguém elogiar o Buda, o Dhamma, ou a Sangha, vocês devem reconhecer a verdade daquilo que é verdadeiro, dizendo: ‘Isso é correto, isso é verdadeiro, esse é o nosso modo, esse tipo de coisa é encontrada no nosso meio’." - (retirado de Brahmajala Sutta - acessoaoinsight)
Se você quer ensinar um caminho valioso a alguém, só ensine se a pessoa estiver com mente aberta e se você estiver com intenções benéficas, isto é, não ensine com orgulho, pensando "Eu pratico um caminho maior". Só de pensar isso você já não está praticando o caminho que conduz à purificação. Apenas ensine com o pensamento "Esse ensinamento pode ser benéfico a outra pessoa. Devo oferecer a ela com compaixão, sem intenções inábeis por de trás que busquem fama ou reputação". E lembre-se: ensine somente se o seu interlocutor estiver com mente aberta, caso contrário, fique em silêncio e sempre aponte o caminho da forma mais modesta e honesta: através do seu próprio exemplo. Se surgir debates metafísicos como o que eu comecei a fazer, simplesmente diga: "Mas o Budismo pode estar errado! Quem sabe?".
Por fim, encerro compartilhando um Sutta valioso:
Algumas pessoas falam 
com segundas intenções,
outras falam 
com a convicção de que estão certas.
Mas um sábio não participa
de uma disputa que tenha surgido.
Por conseguinte ele está livre
de qualquer obstrução.
Agora, como pode alguém
impelido pelo desejo,
guiado pelas suas inclinações,
entrincheirado nas suas preferências,
abandonar as ideias às quais se apega?
Elaborando as suas próprias conclusões,
ele disputa de acordo com aquilo que conhece.


Alguém que se vanglorie, sem ser perguntado,
das suas práticas, virtudes,
dizem os mestres,
ser alguém ignóbil.
Mas um bhikkhu em paz,
totalmente livre,
que não se vangloria das suas virtudes, declarando
- “assim é como sou” -
dizem os mestres,
ser alguém nobre.
Ele não tem arrogância
com relação ao mundo.
Aquele cujas idéias são
fabricadas, condicionadas, altamente apreciadas,
mas que não são puras,
ideias nas quais ele percebe o ganho pessoal,
irá experimentar uma paz que é instável.
É difícil superar ideias pré-concebidas
que são formuladas ao julgar outras doutrinas.
Por isso, em vista dessas mesmas idéias,
Ao aceitar uma ele rejeita as outras.
Agora, aquele que é purificado
não tem ideias pré-concebidas
sobre o devir 
ou não -
em qualquer lugar.
Tendo abandonado a presunção
1 e a delusão,
de que modo ele se estabeleceria?
2

Ele não se estabelece.
Aquele que tem apego
se mete em disputas.
Mas como – em conexão com que -
pode alguem desapegado
ser caracterizado?
Ele não tem nada
apegado ou rejeitado,
ele abandonou todas idéias
exatamente aqui - todas sem exceção.
(retirado de Dutthatthaka Sutta - acessoaoinsight)

1 Nota do acessoaoinsight: Nd.I: a palavra “presunção” pode ser entendida de várias formas, sendo que a mais completa é uma lista com nove tipos de presunção: (1) considerar as pessoas melhores que si mesmo como: piores que si mesmo, iguais a si mesmo, ou melhores que si mesmo; (2) considerar as pessoas em pé de igualdade com si mesmo como: piores que si mesmo, iguais a si mesmo, ou melhores que si mesmo; (3) considerar as pessoas piores que si mesmo como: piores que si mesmo, iguais a si mesmo, ou melhores que si mesmo. Em outras palavras, se a idéia é verdadeira ou não não é o ponto em questão mas sim a tendência de comparar a si mesmo com os outros. Nota do Fórum Sangha Online: acrescento que um Arahant não se compara como melhor, igual ou pior que ninguém, mas reconhece que cada pessoa é única. Além disso, a comparação que estimulei para o desenvolvimento de "vergonha de cometer transgressões" deve ser devidamente realizada para não se dar como uma "comparação com outras pessoas" - isso é comparar seus atos àqueles que trazem benefícios, portanto, essa comparação que estimulei não tem como finalidade fortalecer grilhões e contaminações, mas libertar do sofrimento; o método não é comparar pessoas, fortalecendo a ideia de um Eu ou Ego, mas comparar atitudes, fortalecendo práticas virtuosas.
2 "De que modo ele se estabeleceria" quer dizer "de que modo ele criaria um suporte para um novo renascimento?" Se não há mais apego, não há mais a causa pela qual o renascimento possa ocorrer - dessa forma ele não renasce mais, isto é, ele não se estabelece mais.


Última edição por Administrador em Ter 3 Dez 2013 - 11:48, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://sangha-online.forumeiros.com
Robison

Discípulos
avatar

Masculino
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 4

Mensagem Qui 28 Nov 2013 - 10:50

Muito obrigado pelo texto, Admin. Esse é , sem dúvida, um dos principais problemas que enfrento. Sempre tive a tendência de entrar em debates desgastantes... Até achei que estaria inapto a prática do budismo justamente por essa minha tendência, mas percebi que isso alivia com o tempo, mesmo que seja bem devagar. Acho que também é um dos pontos onde a melhora é mais notável quando se aplica a atenção plena.
Realmente, o budismo pode estar errado, quem sabe?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Administrador

Admin
avatar

Masculino
Local : SP
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 485

Mensagem Sab 30 Nov 2013 - 21:41

Que bom que ajudou, Robison!
Realmente a Atenção Plena é um fator magnífico do Nobre Caminho Óctuplo ao qual devemos muita atenção, e esse é um trocadilho importante rs
Você disse que foi arrebatado por impaciência, e aqui cai outro trocadilho: haja paciência para desenvolver paciência!
O fato é que a prática da Atenção Plena é um recondicionamento, uma alteração de fato gradual e lenta dos nossos hábitos. É uma coisa difícil de fazer, porque às vezes não fazemos o esforço suficiente e em outras vezes somos rígidos demais, por isso gosto de dizer que treinar a Atenção Plena é como educar uma criança. Não seja permissivo demais, saiba discipliná-la! Mas também não tenha rédea curta - o que acontece com as crianças cujos pais estão sempre em cima? Elas se tornam rebeldes e agitadas. Para aqueles que são rígidos demais, seus filhos se tornam pessoas perfeccionistas que nunca estão satisfeitas com nada.
Então, a maneira de fazer é se sentar com a criança às vezes e sempre estimulá-la, comemorando as coisas boas que ela fez e alertando as coisas ruins. Algumas pessoas só ficam criticando a si mesmas, mas nunca reconhecem os acertos que tiveram em sua prática quando a Atenção Plena funcionou - dessa maneira a prática fica maçante! Quando fizer algo certo, quando perceber uma melhora, por mais pequena que seja, comemore isso, sinta-se contente e assim você estará programando a Atenção Plena e sua mente compreenderá quais são as atitudes benéficas que ela deve repetir.
Quando uma criança faz algo errado, nós logo a chamamos e a mostramos o erro - com a mente é a mesma coisa. Se a mente ficou distraída muito tempo, você para e pode alertá-la com um pensamento: "Isso conduz ao meu sofrimento e ao sofrimento dos outros seres.", dessa maneira a mente aprende aos poucos as coisas que ela deve estar atenta.
Depois que você dá a bronca na criança, o que você faz? Você a solta - eu digo isso porque muitos ficam tentando segurar a Atenção Plena, mas aí surge Apego e a Atenção Plena contrai e vira tensão. O que você faz é programar a Atenção Plena e soltá-la, não ficar com rédea curta sobre a criança. Às vezes você dá uma olhada na criança para ver se ela está fazendo certo rs
Então, o desenvolvimento da Atenção Plena é gradual e equilibrado dessa maneira. Treinar Atenção Plena é fazer uma programação constante. Depois de um bom tempo, nossas mentes funcionam sob condicionamentos e programações novas, e são esses condicionamentos benéficos que permitem a mente se unificar na meditação.
Realmente, tudo vai com o tempo bem devagar. Seja paciente consigo mesmo! Seja gentil com a criança, depois de ensiná-la ela pode errar algumas vezes, mas ensine-a com paciência misturada com carinho e disciplina e aos poucos ela entenderá. Comemore com a criança quando ela fizer algo certo e quando ela errar não a chicoteie nem a ofenda, simplesmente fale em tom sério e moderado o erro.
Seja paciente. O primeiro passo é começar a perceber os nossos erros. Com Atenção Plena iniciante, geralmente percebemos o erro depois que cometemos. Com o tempo, nós começamos a perceber o erro no momento em que ele está sendo feito, e aí algumas vezes conseguimos voltar atrás, outras vezes não. Devemos continuar praticando com persistência e paciência, até que a Atenção Plena será tão veloz que ela aprenderá a ver as contaminações da mente bem no momento em que surgirem, de tal forma que elas nem conseguirão nos distrair.
É assim um processo bem lento. Portanto não desista e sempre treine a si mesmo baseado no Caminho do Meio. Acho esse símile de "programar a Atenção Plena é como educar uma criança" uma boa comparação. Acho que isso é fruto de eu ter assistido muito aqueles programas educacionais como Supernanny rs.
De qualquer forma, quando você contraria totalmente sua mente dizendo a alguém - o Budismo pode estar errado, quem sabe? Ela responde com irritação. Deixe isso vir. Tem um pensamento em inglês de um Ajahn: "Let it come. Let it be. Let it go." - "Deixe isso vir. Deixe isso ser. Deixe isso ir." Depois ensine a Atenção Plena: "Não agirei mais com intenções prejudiciais. Prefiro parecer errado aos olhos dos outros do que tentar impor algo, pois isso é um apego. Apenas apontarei o caminho, não tentarei impor coisa alguma."... Com o tempo a mente compreende! Feliz 
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://sangha-online.forumeiros.com
NatanMarques98

Discípulos
avatar

Masculino
Idade : 18
Local : Sergipe
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 22

Mensagem Seg 29 Set 2014 - 16:28

Muito obrigado pelo texto administrador.  Feliz
Infelizmente, eu passo por isso quase sempre. Na escola as vezes, eu fico desvalorizando a bíblia e Deus. Tenho um amigo católico, e eu estava pensando em dizer algumas coisas, elogiando o Buda e desvalorizando Jesus. Um dia desses, vi um texto falando de uma teoria, chamada "Apócrifo de Himis", essa teoria diz que Jesus na sua adolescência viajou para a Índia, para estudar. Então eu ia dizer o seguinte:

"Amigo, eu vi uma teoria que explica que Jesus na sua adolescência, viajou para a Índia para estudar. Então, sabe o que ele estudou? O Budismo! Ele aprendeu com o Buda! Então, Buda foi o mestre de Jesus, foi com ele que seu Cristo aprendeu a amar."

Mas, sabe qual a minha intenção ao dizer isso? Que Buda é superior a Jesus, e que todos os cristãos deveriam gostar do Buda, porque ele foi o mestre de Jesus. 

Então, isso é uma "teoria". Isso pode ser mentira! Aí, com esse texto eu abri mais minha mente, vou prestar atenção mais quando for falar e agir.

Abraços!  Oi/Tchau
Voltar ao Topo Ir em baixo
digitalgreen

Discípulos
avatar

Masculino
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 21

Mensagem Qui 9 Out 2014 - 20:05

Excelente texto Administrador !!!
Aprendi muito com ele ! A partir de hoje vou ser mais reservado sempre com atenção na linguagem !
Voltar ao Topo Ir em baixo
mattgtralli

Discípulos
avatar

Masculino
Local : SP
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 16

Mensagem Sab 21 Fev 2015 - 23:11

Já passei por uma situação onde esse pensamento de querer mostrar o Budismo como "superior", mas no momento preferi ficar calado, gostei muito desse texto e agora minha concepção sobre este assunto já é outra. Obrigado por compartilhar conosco Grato
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado



Mensagem

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Não elogie o Budismo - diga que ele pode estar errado! Quem sabe?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Budismo
» O que a Rocinha, Vidigal e USP tem em comum
» trigonometria
» DIGA AO ALVO AQUI VOU EU
» Inequação

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Budismo - Sangha Online :: Estudos sobre a Meditação e Prática Budista :: Conselhos para a Prática-