Budismo - Sangha Online
DÚVIDAS SOBRE O BUDISMO?

Registre-se e nos envie sua pergunta que talvez possamos ajuda-lo, independente de sua religião!
Todos são bem-vindos para dialogarem e pesquisarem aspectos do Budismo. Registrando-se você poderá enviar suas dúvidas particularmente à Administração ou à Comunidade, como exemplos:

No Budismo não podemos ter desejos?
Como o Buddha comia carne? E o vegetarianismo?
O Nirvana é o vazio? É eterno e é uma extinção do ser?
O que significa não-eu? O Budismo é niilista?
O que é prazer no Budismo? E paz interior?
Budismo crê em Devas, logo ele é Politeísta?
No Budismo nos isolamos? Como se relacionar com pessoas?
Como meditar? Budismo crê em super-poderes?!
Posso praticar sem crer no renascimento?
Budismo é religião ou filosofia? Por que há tanta idolatria?


Dialogue sobre essas e outras questões aqui.


Comunidade dedicada a simpatizantes e seguidores (de todas as escolas) do Budismo, visando à pesquisa e ao diálogo. Participe!
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Se você já se registrou, apresente-se aqui e tire suas dúvidas sobre Budismo!
Registre-se para expor seus pontos de vista - isso independe de sua religião!
Bem-vindo
Bem-vindo ao Fórum Sangha Online!

Registre-se para dialogar com outras pessoas interessadas no Budismo e para ter acesso a todo o conteúdo para pesquisa sobre o mesmo.

Qualquer dúvida, ficaremos felizes em ajudar!
Últimos assuntos
» Sobre este Fórum: Dúvidas sobre o Budismo
por  Nove
Ontem à(s) 22:21

» Apresentação
por  Nove
Ontem à(s) 21:12

» preciso de um esclarecimento aqui, por favor
por  frank Knarf
Seg 13 Nov 2017 - 21:35

» [Vídeo] O Fim do Mundo: Vidamorte
por  jean F Carvalho
Sab 28 Out 2017 - 22:10

» Sutra de Lótus / BSGI
por  Administrador
Qui 26 Out 2017 - 20:49

» Grupo, sobre Budismo, no Whatsapp
por  Buddho
Sab 21 Out 2017 - 22:23

» FELIZ NATAL! Mas... Budistas podem comemorar o Natal?
por  frank Knarf
Seg 16 Out 2017 - 11:14

» apresentaçao
por  Administrador
Sab 14 Out 2017 - 20:23

» Dharma e Lamrim
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 23:20

» Dúvida sobre a NÃO ação
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 23:11

» Caridade baseada em desejos mundanos
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 22:57

» Olá!!!!!
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 22:45

Geral
Quem somos
Regras Gerais
Apresente-se
Precisa de ajuda?
Por que Sangha Online?
O Básico do Budismo
Introdução ao Budismo
A Vida de Buda
Tire suas Dúvidas!
O que o Budismo não é
Como meditar
5 Preceitos para Virtude
Meditação altera genes
Dúvidas Frequentes
Budismo é religião?
Budismo é ateísta?
Como virar budista?
O que é Fé no Budismo?
Preciso ser vegetariano?
O que significa o Lótus?
Votação
Atualmente, qual preceito você tem mais dificuldade para manter?

 
Abstenção de matar intencionalmente.

 
Abstenção de tomar o que não foi dado (roubar).

 
Abstenção de conduta sexual imprópria.

 
Abstenção de linguagem incorreta.

 
Abstenção de tomar álcool e outros embriagantes.
Exibir resultados
Quem está conectado
1 usuário online :: 1 usuário cadastrado, Nenhum Invisível e nenhuma Visita :: 1 Motor de busca

Nove






Compartilhe | .
 

 Uma história de Ajahn Brahmavamso: "O velho monge que não mente"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Administrador

Admin
avatar

Masculino
Local : SP
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 485

Mensagem Dom 23 Fev 2014 - 22:39

Uma história de Ajahn Brahmavamso: "O velho monge que não mente"
Essa é uma história contada por Ajahn Brahm durante um seminário público em Kuala Lumpur em 04/02/2012 que foi traduzida, do Inglês, pela Administração do Fórum Sangha Online
Era uma vez um velho monge que viajava por todo o lugar. Poucos dias antes do retiro das chuvas, ele parou em uma casa. Lá vivia uma família pobre constituída de marido, esposa, as crianças e o cachorro.
O marido perguntou ao monge se ele tinha algum lugar para ficar durante o retiro das chuvas. O monge disse que não. Devido a isso, a família ofereceu-se para construir a ele uma cabana e lhe dar comida todos os dias. Em agradecimento, o monge lhes ensinaria o Budismo a eles e lhes daria conselhos acerca da vida do dia a dia.
O monge concordou e, assim, lá passou o retiro das chuvas. A família e o cachorro estavam cheios de alegria, mas quando o tempo do monge partir chegou, a família pediu a ele que não partisse. Mesmo o cachorro choramingou quando estava na hora do monge ir embora.
O monge recusou a oferta e disse à família que na manhã seguinte o marido deveria ficar de pé com um arco e uma flecha na porta, encarando a direção na qual o Sol nasce. Quando o Sol raiasse, ele deveria soltar a flecha.  Onde a flecha caísse o marido encontraria grandes tesouros. O marido deveria seguir as instruções corretamente. Então, o monge partiu.
Na manhã seguinte, o marido fez o que foi dito. Ele atirou a flecha e ela voou até as terras de um homem rico. Ele, sua esposa, seus filhos e o cão foram para aquele lugar. O marido pediu à esposa que cavasse a terra e assim ela fez. Um enorme buraco foi feito, mas lá não havia tesouro algum. Logo veio o proprietário das terras – o homem rico. Ao ver o buraco no solo, ele imediatamente ordenou à esposa que pagasse a ele um grande valor que compensasse o buraco feito em sua terra. A esposa exclamou: “Mas eu fui ordenada pelo meu marido!”. O marido disse: “Não, não! Eu segui as instruções do velho monge!”. Sendo ele mesmo um budista, o proprietário da terra sentiu que o velho monge não diria uma mentira. “Não, você deve ter feito alguma coisa errada”, alertou o homem rico.
Assim, na manhã seguinte, ele ficou de pé onde o velho marido esteve e atirou a flecha. Dessa vez, a flecha pousou nas terras do general.
Eles foram até lá procurar a flecha. Dessa vez, o homem rico quem ordenou ao marido que cavasse a terra. Novamente, um enorme buraco foi feito, mas lá não havia tesouro algum.
O general, percebendo que um grande buraco fora feito em sua terra, ordenou que o homem rico fosse colocado na prisão. O homem rico protestou e disse que ele agira sob as instruções do velho monge.
O general, sendo ele mesmo um budista, disse a eles: “Essa não é a maneira de atirar a flecha. Eu sou o General. Eu mostrarei a maneira correta.”.
Assim, na manhã seguinte, o General ficou de pé no lugar onde o homem rico e o marido estiveram uma vez e atirou a flecha. Ela voou rapidamente, percorrendo uma grande distância, e, dessa vez, aterrou nas terras do Rei.
O homem rico foi ordenado que cavasse a terra. Outra vez, um enorme buraco fora criado. O Rei, tendo notado isso, ficou furioso e enviou todos eles para a cadeia. O General protestou, dizendo que ele fizera aquilo baseado nas instruções do velho monge.
O Rei, tendo ouvido isso e sendo ele mesmo um budista, pediu que o velho monge fosse trazido até ele. Instantaneamente, os soldados foram enviados para procurarem pelo velho monge. Quando ele chegou, o Rei o questionou e o monástico contou a ele as instruções que foram dadas ao marido para que procurasse o tesouro. Depois, o velho monge pediu ao Rei que procurasse o tesouro e que o dividisse em quatro partes: uma para o Rei, uma para o General, uma para o homem rico e a outra para a pobre família. O Rei concordou.
Logo, na manhã seguinte, o Rei ficou de pé na porta com o velho monge ao seu lado. Ele perguntou: “Essa é a posição correta?”, o monge respondeu que sim.
Ele encarou a direção em que o Sol nascia – “Está correto?”, o monge respondeu afirmativamente.
Quando o Sol começou a raiar, o Rei ergueu o arco e perguntou: “Está correto?” – o monge disse confirmou positivamente.
Quando ele atirou a flecha, o rei perguntou: “Está correto?” – o monge respondeu: “NÃO!”. Ele disse: “A instrução era ‘SOLTAR a flecha’, não ‘ATIRAR a flecha’.”
O rei seguiu a instrução e permitiu que a flecha caísse e, de fato, havia um enorme tesouro no local onde a flecha caíra.


Essa história mostra a nós que a plenitude de alguma coisa somente pode ser encontrada no presente, não no futuro, sequer no passado.
Ninguém pode dizer “Deixe-me trabalhar duro primeiro e depois eu aproveitarei”. O “depois” nunca virá, porque haveria outras coisas para serem feitas depois, depois e depois.
Se alguém precisa trabalhar, então trabalhe. Se alguém quer caminhar, então vá. Se alguém precisa dormir, então durma.
Viva no presente – não no passado, nem no futuro.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://sangha-online.forumeiros.com
luciano tadeu

Discípulos
avatar

Masculino
Local : guariba - sp
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 31

Mensagem Seg 24 Fev 2014 - 9:06

Muito Obrigado!
Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Uma história de Ajahn Brahmavamso: "O velho monge que não mente"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» As belas histórias dos PAPAS! (Santos Padres)
» P.A. - (idade do mais velho)
» A história do Papado - O que está por trás...
» Histórico do Estado do Rio de Janeiro
» A Verdadeira História de Jesus Cristo - Contestado!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Budismo - Sangha Online :: Estudos e conversas sobre as Escolas do Budismo :: Budismo Theravada :: Ensinamentos em textos e vídeos-