Budismo - Sangha Online
DÚVIDAS SOBRE O BUDISMO?

Registre-se e nos envie sua pergunta que talvez possamos ajuda-lo, independente de sua religião!
Todos são bem-vindos para dialogarem e pesquisarem aspectos do Budismo. Registrando-se você poderá enviar suas dúvidas particularmente à Administração ou à Comunidade, como exemplos:

No Budismo não podemos ter desejos?
Como o Buddha comia carne? E o vegetarianismo?
O Nirvana é o vazio? É eterno e é uma extinção do ser?
O que significa não-eu? O Budismo é niilista?
O que é prazer no Budismo? E paz interior?
Budismo crê em Devas, logo ele é Politeísta?
No Budismo nos isolamos? Como se relacionar com pessoas?
Como meditar? Budismo crê em super-poderes?!
Posso praticar sem crer no renascimento?
Budismo é religião ou filosofia? Por que há tanta idolatria?


Dialogue sobre essas e outras questões aqui.


Comunidade dedicada a simpatizantes e seguidores (de todas as escolas) do Budismo, visando à pesquisa e ao diálogo. Participe!
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Se você já se registrou, apresente-se aqui e tire suas dúvidas sobre Budismo!
Registre-se para expor seus pontos de vista - isso independe de sua religião!
Bem-vindo
Bem-vindo ao Fórum Sangha Online!

Registre-se para dialogar com outras pessoas interessadas no Budismo e para ter acesso a todo o conteúdo para pesquisa sobre o mesmo.

Qualquer dúvida, ficaremos felizes em ajudar!
Últimos assuntos
» Sobre este Fórum: Dúvidas sobre o Budismo
por  Nove
Ontem à(s) 19:48

» Apresentação
por  Nove
Ontem à(s) 18:47

» Sutra de Lótus / BSGI
por  Nove
Ontem à(s) 18:36

» preciso de um esclarecimento aqui, por favor
por  Administrador
Qua 22 Nov 2017 - 21:02

» [Vídeo] O Fim do Mundo: Vidamorte
por  jean F Carvalho
Sab 28 Out 2017 - 22:10

» Grupo, sobre Budismo, no Whatsapp
por  Buddho
Sab 21 Out 2017 - 22:23

» FELIZ NATAL! Mas... Budistas podem comemorar o Natal?
por  frank Knarf
Seg 16 Out 2017 - 11:14

» apresentaçao
por  Administrador
Sab 14 Out 2017 - 20:23

» Dharma e Lamrim
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 23:20

» Dúvida sobre a NÃO ação
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 23:11

» Caridade baseada em desejos mundanos
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 22:57

» Olá!!!!!
por  Administrador
Dom 1 Out 2017 - 22:45

Geral
Quem somos
Regras Gerais
Apresente-se
Precisa de ajuda?
Por que Sangha Online?
O Básico do Budismo
Introdução ao Budismo
A Vida de Buda
Tire suas Dúvidas!
O que o Budismo não é
Como meditar
5 Preceitos para Virtude
Meditação altera genes
Dúvidas Frequentes
Budismo é religião?
Budismo é ateísta?
Como virar budista?
O que é Fé no Budismo?
Preciso ser vegetariano?
O que significa o Lótus?
Votação
Atualmente, qual preceito você tem mais dificuldade para manter?

 
Abstenção de matar intencionalmente.

 
Abstenção de tomar o que não foi dado (roubar).

 
Abstenção de conduta sexual imprópria.

 
Abstenção de linguagem incorreta.

 
Abstenção de tomar álcool e outros embriagantes.
Exibir resultados
Quem está conectado
4 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 4 Visitantes

Nenhum






Compartilhe | .
 

 Desabafo: Não sirvo para ser budista

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
AsmitaNoVirgo

Discípulos
avatar

Masculino
Idade : 27
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 15

Mensagem Dom 28 Fev 2016 - 15:16

Fiquei um tempinho sem postar, passei um tempo me observando, observando a minha mente e cheguei a certas conclusões que por ventura ainda não são definitivas. Talvez eu não sirva para ser budista neste momento da minha vida e vou enumerar os por quês baseado no que eu observei da minha mente e nas pessoas e como me relaciono com elas.
1-Consigo ter compaixão por animais, mas não por seres humanos.  Oi/Tchau
Se eu disser que tenho compaixão por seres humanos, conseguindo te-la apenas por pessoas que gosto e me acolhem como amigos e pais, estou sendo hipócrita, é fácil e por veras conveniente ter compaixão apenas  por pessoas que gostamos e são reciprocas para conosco. 
Sinto que existem muitas pessoas que não gostam de mim,simplesmente pelo fato de eu existir, e eu não pedi para existir, dentro da minha lógica pelo menos antes de entrar no Samsara  Risonho E o contrário também é verdadeiro, não consigo gostar de certas pessoas só delas ficarem perto de mim. 
Mas esses casos são raro é claro, na maioria das vezes temos MUITOS pessoais  para gostar ou não gostar de  alguém. Na maioria das vezes elas me atacam, não sou vítima, mas digamos que sou pouco ativo nas relações sociais, fico na minha e as pessoas vem, vem com tudo! Já trabalhei muito o ódio dentro de min, acho que ódio não consigo mais guardar como antes, eu o solto, ai só sobra desprezo mesmo. 
Então é isso, o máximo que consigo sentir por alguém que não gosto é desprezo. Pessoas que já me marcaram no passado, essas jamais confiarei ou terei compaixão por elas. Não é justo culpar um tigre por devorar um ser humano, ele faz isso por fome, mas o ser humano agride e mata por pura maldade consciente ou inconsciente.
2-Talvez eu seja uma pessoa má, e não saiba Triste
Estive chorando esses dias ao pensar o tanto de mal que eu tenho dom em causar com palavras. O tanto de rancor que consigo guardar no meu gigantesco EGO besta. Pessoas com muito humor me irritam, aquele humor ácido e sensacionalista, já que gosto do humor negro e realista. Então eu me choco com pessoas assim e quando percebo dei uma resposta bem franca pra pessoa, as vezes as magoando. 
Mas eu aprendi a ser assim da forma como este mundo me trata, me trata mal, não consigo rebater o mal com o bem, parece burrice. A mente humana vicia fácil e as pessoas viciam rapidamente em fazer mal as pessoas que permitem isso, eu não permitirei, dói, machuca demais. Não sei isso me faz uma pessoa ruim, bater o mal com mal, talvez eu não sirva para ter compaixão, isso justifica tudo não é? Para tentar trabalhar isso, tentei desviar  essa energia revanchista que tenho em um assunto que me interessa muito, a psicologia. 
Para transportar meus sentimentos ruins para a fantasia ao invés de descontar isso nas pessoas, tenho um projeto de um livro sobre uma freira  psicopata que matou para sobreviver de um pai abusador (legitima defesa), mas depois acaba matando por prazer e para conseguir um amor proibido. Na verdade mato nessa ficção pessoas que eu desejo estarem mortas na realidade. A psicopatia me encanta e me assusta ao mesmo tempo, é uma patologia inerente, não existe tratamento ainda, e somos vítimas deles o tempo inteiro. 
Não que todo mundo que me atinge negativamente seja psicopata, não sou megalomânico Rindo . Acho que a patologia psicopata revela o que há de mais podre no ser humano com bom humor, afinal a auto estima de um psicopata é patologicamente alta. Não me interesso em cometer crimes, essa não é a questão e sim analisar os por quês dos crimes cometidos através desse viés, e da arte. Por quê afinal existe pessoas tão cruéis? Essa é a pergunta que eu faço pra min todos dias.
3-Talvez eu seja uma pessoa mesquinha, e não saiba Percebeu algo errado  
Me olho no espelho todos os dias e não gosto do que vejo, não me encaixo em padrões. E um dia isso passou a me afetar, algo que eu desprezava e achava ridículo, agora é meu algoz. Talvez eu dê muito valor a aparência por fazer parte de uma sociedade que coloca regras e tratamento diferenciados baseados nelas.
Tenho problemas com auto estima e isso me impede de ver coletividade, já que diante disso o coletivo me apunha-la por eu não fazer parte de suas expectativas. Nem todos pensam assim ou se importam com a aparência, mas esses são poucos e na maioria das vezes sou destruído por críticas mesmo a sutis. Descobri que sou hipersensível por motivos supracitados, como uma pessoa assim vai se importar com a dor do seu "inimigo"?
Ou talvez a culpa seja minha (carma), por ter nascido com tal aparência, em tal mundo com tal sistemas de padrões pré- estabelecidos. Enfim essa divagações me deixam confuso e triste. Que eu estou doente isso não há dúvidas, e no meio disso tudo um dia parei para ler sobre budismo e gostei e aqui estou, lendo aqui e acolá, vendo videos e pesquisando, mas parece tão distante de mim, de quem eu sou de verdade., que não sei...
4-Renascer como burro para aprender  Lendo
A vida sempre será como ela é, isso eu já consegui admitir, nossa mente pode inventar realidades românticas mas ela é como ela é, pessoas são cruéis, pessoas são boas, este mundo é uma desgraça, e ainda sim tem coisas bonitas. 
Parece de uma aleatoriedade absurda tudo que acontece na minha vida, e uns se beneficiam através das desgraças dos outros, que mundo doente vivemos! Não sei por que caçoam da inteligência do burro, ele é um burro para nós, por que pra ele não importa quem ela seja, importa que ele está vivo e o resto que se dane, a auto estima dele é melhor que a minha.
5-Então é isso Como assim?
Talvez eu precise renascer como burro várias vezes para aprender!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Administrador

Admin
avatar

Masculino
Local : SP
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 488

Mensagem Ter 1 Mar 2016 - 19:18

Olá AsmitaNoVirgo Feliz
Independente do caminho que você escolher, por favor, apenas abrace a si mesmo - especialmente quando somos rejeitados pelos outros é que precisamos ser um refúgio para nós mesmos mais do que nunca.
Talvez você não sirva para ser budista... Mas, por favor, jamais acredite que você não serve para cultivar um bom coração, para ser generoso, para ser compassivo, para sentir-se pleno e oferecer isso aos outros, pois as sementes para isso estão dentro de todos os seres, mesmo dos seres humanos psicopatas rsrs...
Se você quiser abandonar o Budismo, tudo bem... Mas não abandone o desejo por tentar desenvolver a felicidade e a bondade no seu coração - é isso que é Budismo, afinal de contas rsrs.

Mas o mais importante mesmo é aceitar-se. Se há um paradoxo que todos descobrem quando começam a aceitar a si mesmos, é que para você se aperfeiçoar, primeiro você precisa se aceitar. Geralmente as pessoas se odeiam, não se suportam, não se aguentam, não se toleram e acham que através do ódio, do remorso ou da tristeza irão, de alguma forma, mudar a si mesmos ou melhorarem a si mesmos... e então chega uma hora que desistem e vão levando a vida, sem muita expectativa. Essa não é a forma de amadurecer.

É muito difícil lidar com a rejeição dos outros, especialmente quando isso vem desde muito cedo... Porque aí quando começamos a nos entender por gente, a sermos mais conscientes das coisas, nós já temos uma fixação na cabeça de que precisamos tentar agradar os outros a qualquer custo e que, ao mesmo tempo, nós nunca seremos bons o suficiente para as outras pessoas. Aí nós concluímos que os outros são maus - mas acabamos respondendo com maldade também. O que adianta esperar dos outros algo que nós não iniciamos por nós mesmos?
Mas não é sentindo-se culpado por isso que nós podemos nos purificar. Às vezes nos esforçamos tanto no caminho que chega um ponto que começamos a nos odiar, porque não conseguimos abandonar aquela raiva ou aquele amargor que surgiu na mente, e aí não sabemos o que fazer.

O que deve ser feito é acolher. Não importa o que seja - acolha. Acolha o que surgir na sua mente porque é isso que você terá para trabalhar. Você não pode transformar algo que você não seja capaz de acolher.
Não estou dizendo para você gostar da raiva, amar o ódio... Estou dizendo para você aceitar Feliz
Aceite que essas qualidades existem na sua mente com forte intensidade, e comece a se familiarizar com elas. Observe o que você pensa, observe o que você diz por impulso, mas não se odeie por isso. Eu mesmo precisei fazer muita coisa errada antes de começar a melhorar rsrs... Só que eu fazia quase que conscientemente Rindo  O que quero dizer é que no começo, antes de tentar mudar a si mesmo, trabalhar a sua raiva ou tentar diminui-la, é interessante você aprender primeiro a observar isso SEM AVERSÃO. Porque geralmente nós achamos que se surge uma qualidade ruim na mente, o mais sábio, o mais espiritual, o mais nobre e digno a se fazer é tentar repelir aquilo com bastante força... Mas isso é jogar sal na água salgada... É responder a raiva com raiva. Se você quer enfraquecer a sua raiva, acolha-a primeiro. Aceite-a. Abrace-a. Qualquer coisa que surgir, aceite que aquilo está ali, na sua mente, e que é com aquilo que você vai trabalhar. Então você começa a explorar... Começa a observar como é sentir raiva... E começa a questionar qual a lógica disso.

Mas por favor, não faça o que os outros estão fazendo com você. Não repita o que os outros estão fazendo. Se há já pessoas te rejeitando, te pondo para baixo, não faça isso você também... Eis um momento em que você precisa tanto de si mesmo - então ajude a si mesmo! Eu digo isso porque já sofri muita rejeição também  Feliz  Ainda sofro  Sorridente  Seja pela minha opção espiritual, opção sexual, opções da vida, jeito de ser, entre outras coisas... E eu já ouvi por muito tempo, e ainda continuo ouvindo mesmo de pessoas importantes para mim, que eu preciso mudar, que eu preciso "melhorar"... Na verdade eu ouço mais ou menos as mesmas coisas que eu lembro de ouvir quando eu era criança, mas embora as coisas externas sejam semelhantes, eu mudei bastante - e isso é possível. Por muito tempo eu acreditei que só seria feliz quando fosse aceito, quando achasse meu grupo, ou quando eu fosse admirado pelos outros... E hoje eu sinto um alívio enorme de ter parado com essa busca. Com essa busca de me encaixar nas expectativas dos outros, ou de me comportar como os outros, de adquirir o tom de voz de rapazes da minha idade ou o que quer que seja que nossas mentes possam inventar, só para dizer "Eu desejo isso"... Eu me esforcei por muito tempo, tentando melhorar a mim mesmo, e nunca estava bom o suficiente. Embora agradasse alguns por um tempo, para a outra ainda não estava bom... E aí você vai se conformando que você tem um problema e de que não tem mais jeito... Mas o problema é essa busca, é esse desejo... É essa ideia de que nós temos que mudar, de que nós temos que melhorar para sermos felizes. Ou ainda - de que os outros têm que mudar suas opiniões para sermos felizes. Os outros deveriam me aceitar mais, ou parar de me criticar, me elogiar... e aí serei feliz - são essas ideias e desejos que são o problema. Enquanto nós acharmos que o problema são as outras pessoas, o nosso corpo, a nossa voz, nossa orientação sexual, os padrões estéticos da sociedade ou seja lá o que for, nunca haverá descanso. A busca irá se estender até a morte, quando, enfim, perceberemos que todos nós terminamos quase na mesma situação. Riquezas, posses, beleza, elogios, status, fama, uma boa família, pessoas que gostavam de nós, que não gostavam, contas a pagar, boas notas na faculdade, seja lá o que for - tudo se desmancha quando morremos. E aí a única coisa que tem valor são as qualidades da nossa mente.
Então, comece a olhar um pouco os vídeos de monges ou pessoas que elogiam um caminho espiritual, e comece a perguntar a si mesmo: será que você não está buscando a sua felicidade no lugar errado? Enquanto você achar que a sua paz depende dos elogios dos outros ou da sua aparência, a sua busca nunca vai terminar, seus desejos continuarão sendo frustrados, e você terá cada vez mais ódio de si mesmo.
É um alívio quando você percebe que você não precisa mudar nada para estar em paz. Nada. Você já é perfeito tal como é.  Reverência Não precisa mudar nada, absolutamente nada. Porque para estar verdadeiramente em paz, a única coisa que se pede é ser uma boa pessoa, e mais nada além disso. Só que para desenvolver bondade no coração, é necessário tempo. E não adianta ser impaciente e se odiar por isso, porque aí você estará cultivando justamente o oposto do que é para ser cultivado.
Então, comece a investigar o que verdadeiramente é importante. Eu sei que lá fora as pessoas acreditam que tudo depende das aparências e tudo o mais, mas quando elas ficarem velhas, o que é que realmente vai importar? Quando elas morrerem, o que é que realmente irá fazer diferença? O que é que realmente tem valor?
Por favor, dê tempo e bondade a si mesmo para investigar isso aos poucos, e aos poucos você irá entender que pode aceitar a si mesmo tal como é. E é tão bonito quando essa convicção cresce no coração. Chega um ponto em que você sente-se tão inspirado, que você diz a si mesmo: "Eu não preciso mais me esforçar para me ajustar... Enfim, posso descansar de todos aqueles esforços." Aí você aceita a si mesmo, e reconhece um amor e uma paz dentro de você que ninguém pode tirar. E aí pode surgir essa convicção de que não importa o que os outros façam com você, será bom o suficiente, porque o que realmente importa é cultivar a mente e o coração. Então, qualquer coisa que a vida, as pessoas ou a sua mente apresentarem, você acolhe - porque qualquer coisa é boa o suficiente para ser generoso - ou pelo menos ir tentando ser generoso  Feliz  E à medida que essa convicção, essa confiança, essa inspiração cresce, você vai percebendo que mesmo a difamação, mesmo as críticas, mesmo o ódio, mesmo a tortura, mesmo a morte são bons o suficiente... Isso não é utopia. Eu lembro de um momento de inspiração meu em que me lembrei de uma pessoa que me humilhou em público me puxando pelas orelhas (doeu, viu? rs) e me chamando de coisas nojentas... Eu me senti muito sujo naquele dia... E me lembro bem da raiva que eu tinha daquela pessoa... Mas então, num momento de inspiração, eu me lembrei dela e senti no coração um calor, e de repente pensei "Mesmo se essa pessoa fizesse tudo aquilo para mim de novo, isso também seria bom o suficiente para estar em paz, porque agora minha paz não depende mais dos outros - mas sim das intenções que eu cultivo." e assim pude desejar que essa pessoa fosse feliz.
Agora, é o seguinte: se você não consegue sentir isso, ou não consegue nem saber por onde começar, não se odeie por isso! Até mudei a cor Rindo
Não se odeie, porque cada um de nós tem o seu próprio tempo de desenvolvimento... E isso não é tão importante... Há pessoas com capacidades espirituais e meditativas incríveis que afundam devido ao seu orgulho e vaidade... Então não adianta se julgar de acordo com as qualidades ou pensamentos habituais que você tem no coração, ou seu nível de raiva ou seja lá o que for rsrs...

Então, não se odeie. Aceite-se. Acolha-se. E comece a trabalhar consigo mesmo com paciência e bondade. Meditação é uma forma maravilhosa de fazer isso, especialmente quando temos uma mente que não para... O melhor a fazer é ouvir a mente. Sempre que você tiver alguma coisa na mente que você não consegue lidar ou trabalhar, sinta, observe aquilo... Se sua mente tiver muita raiva, relaxe e esteja com aquilo... Pare de tentar calar a mente voltando a sua atenção para  arespiração ou para o mantra (Omm... nossa essa mente não para... padme hum) rsrs... Se nada estiver funcionando, relaxe e esteja com aquele barulho que você não consegue silenciar. Sinta-o... Observe-o, esteja com ele... E assim, aos poucos, você poderá aceitar a si mesmo, conhecer a si mesmo e então experimentar algumas formas de treinar a mente e ir vendo os resultados...
Olhe também os vídeos de alguns monges, algumas pessoas espirituais, e realmente questione-se: você não acha que existe uma paz interior? Investigue isso, e talvez você perceba que mesmo que tenham dito sempre para você que você é horrível, independente disso você ainda pode fazer amizade e as pazes consigo mesmo... Independente do que disseram ou de como você for, você pode aceitar a si mesmo. Não é preciso ser muito inteligente, ter uma voz grossa, ter um corpo atlético ou um cabelo legal (ou ter cabelo [?]) para cultivar um bom coração. Qualquer coisa é boa o suficiente para cultivar um bom coração. Quando eu digo qualquer coisa, eu quero dizer:
- qualquer experiência mental: raiva, ódio, amor, alegria, orgulho, humildade, inspiração, inquietação, meditação...
- qualquer experiência mundana: riqueza, pobreza, status, anonimato, fama...
- qualquer condição psicofísica: sejam deficiências psíquicas ou físicas
Claro que em algumas deficiências fica mais difícil praticar um caminho espiritual, mas cada um tem o seu tempo...


Enfim, espero que ajude em alguma coisa...
O ponto não é ser budista, afinal de contas... O ponto é aceitar a si mesmo, e aprender a trabalhar consigo mesmo. Isso só você pode fazer. Comece a questionar onde você está buscando sua felicidade, e veja se você não está exigindo demais de si mesmo. Não precisa de quase nada para cultivar o que é realmente importante. As coisas que não importam dão muito trabalho - jogue tudo fora, porque, no final, tudo será tirado de você de qualquer maneira. A morte não abre exceções Feliz  Mas as qualidades que você cultivou no coração e na mente, isso terá valor, isso fará diferença... E para cuidar dessas coisas, é preciso muito pouco, realmente muito pouco... Basta ter um corpo e uma mente, e já está perfeito. Se tiver deficiências ou problemas, tudo bem, está perfeito. Se não tiver, mais do que perfeito! Piscadela  Quando estamos preparados para o pior, é assim - somos capazes de nos alegrar com a pior das hipóteses, e quando o que acontece não é tão ruim assim, então o resto é só brinde! Feliz
E se você precisar de ajuda para se convencer que você já está bom o suficiente tal como é, é só entrar em contato e podemos nos conhecer melhor! Afirmativo!  Mas no final das contas, é você quem terá que aceitar a si mesmo.
E à medida que esse processo de autoaceitação for ocorrendo, você poderá ver que purificar-se do ódio é realmente algo muito difícil, e daí você poderá entender um pouco mais porque é tão fácil ser mau, e tão difícil ser bom... E porque existem tantas pessoas más no mundo... E quando você perceber no seu coração, que abandonar o mal é algo difícil, mas que vale realmente a pena, então você poderá ser compassivo com os outros, porque aí você se verá nos outros - você verá que as pessoas estão atoladas na própria raiva, sentindo prazer em ter ódio, quando na verdade elas poderiam ter muito mais plenitude e alegria, porém, somente após muito esforço. Mas até lá pode ter raiva ainda, ok? Como diz Ajahn Brahm - "Eu te dou permissão para sentir raiva nesse retiro de meditação!" rsrs... Não é porque estamos tentando nos tornar pessoas melhores e espirituais que não podemos cometer erros e dizer coisas horríveis às vezes... Perdoe-se, e então observe: como posso trabalhar com isso?
Mas para ver isso, dê tempo a si mesmo. Dê a si mesmo o que você gostaria que outras pessoas tivessem dado a você. E aí você descobrirá que já tem tudo o que precisa, para ajudar as outras pessoas a darem a si mesmas o que elas também precisam: paz interior, apenas isso Feliz Que você não desista, porque assim como eu aceitei a mim mesmo e me tornei uma pessoa mais segura e feliz, eu sei que você também pode se tornar, e que você é muito mais do que imagina ser...
Se quiser ver 2 vídeos curtos para quem sabe despertar a curiosidade sobre o que é paz interior:
https://www.youtube.com/watch?v=vEQIa5hlqSQ
https://www.youtube.com/watch?v=RW0Jj1nsD0Y
Gangaji não é budista, mas diz coisas boas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://sangha-online.forumeiros.com
*Andranamum

Discípulos
avatar

Masculino
Idade : 40
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 4

Mensagem Sab 3 Set 2016 - 0:52

sabe o que uma formiga pensa de vc? vou fugir. DEUS vai pisar em mim. vc é Deus antromorfizado.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado



Mensagem

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Desabafo: Não sirvo para ser budista

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Desabafo da mulher moderna
» carta falando um desabafo coloque tudo no altar do senhor
» Para quem precisa de desabafar
» Um convite especial para você...
» A mega operação para a visita de Obama à Índia.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Budismo - Sangha Online :: Comunidade :: Chat-