Budismo - Sangha Online
DÚVIDAS SOBRE O BUDISMO?

Registre-se e nos envie sua pergunta que talvez possamos ajuda-lo, independente de sua religião!
Todos são bem-vindos para dialogarem e pesquisarem aspectos do Budismo. Registrando-se você poderá enviar suas dúvidas particularmente à Administração ou à Comunidade, como exemplos:

No Budismo não podemos ter desejos?
Como o Buddha comia carne? E o vegetarianismo?
O Nirvana é o vazio? É eterno e é uma extinção do ser?
O que significa não-eu? O Budismo é niilista?
O que é prazer no Budismo? E paz interior?
Budismo crê em Devas, logo ele é Politeísta?
No Budismo nos isolamos? Como se relacionar com pessoas?
Como meditar? Budismo crê em super-poderes?!
Posso praticar sem crer no renascimento?
Budismo é religião ou filosofia? Por que há tanta idolatria?


Dialogue sobre essas e outras questões aqui.


Comunidade dedicada a simpatizantes e seguidores (de todas as escolas) do Budismo, visando à pesquisa e ao diálogo. Participe!
 
InícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Se você já se registrou, apresente-se aqui e tire suas dúvidas sobre Budismo!
Registre-se para expor seus pontos de vista - isso independe de sua religião!
Bem-vindo
Bem-vindo ao Fórum Sangha Online!

Registre-se para dialogar com outras pessoas interessadas no Budismo e para ter acesso a todo o conteúdo para pesquisa sobre o mesmo.

Qualquer dúvida, ficaremos felizes em ajudar!
Últimos assuntos
» Apresentação
por  Nove
Ter 12 Dez 2017 - 23:39

» Sobre este Fórum: Dúvidas sobre o Budismo
por  Nove
Ter 12 Dez 2017 - 23:00

» Cosmologia budista Dúvidas
por  William - Admin
Ter 12 Dez 2017 - 20:55

» Sutra de Lótus / BSGI
por  William - Admin
Ter 12 Dez 2017 - 20:14

» Grupo, sobre Budismo, no Whatsapp
por  brunoc.araujo
Sex 24 Nov 2017 - 13:49

» preciso de um esclarecimento aqui, por favor
por  William - Admin
Qua 22 Nov 2017 - 21:02

» [Vídeo] O Fim do Mundo: Vidamorte
por  jean F Carvalho
Sab 28 Out 2017 - 22:10

» FELIZ NATAL! Mas... Budistas podem comemorar o Natal?
por  frank Knarf
Seg 16 Out 2017 - 11:14

» apresentaçao
por  William - Admin
Sab 14 Out 2017 - 20:23

» Dharma e Lamrim
por  William - Admin
Dom 1 Out 2017 - 23:20

» Dúvida sobre a NÃO ação
por  William - Admin
Dom 1 Out 2017 - 23:11

» Caridade baseada em desejos mundanos
por  William - Admin
Dom 1 Out 2017 - 22:57

Geral
Quem somos
Regras Gerais
Apresente-se
Precisa de ajuda?
Por que Sangha Online?
O Básico do Budismo
Introdução ao Budismo
A Vida de Buda
Tire suas Dúvidas!
O que o Budismo não é
Como meditar
5 Preceitos para Virtude
Meditação altera genes
Dúvidas Frequentes
Budismo é religião?
Budismo é ateísta?
Como virar budista?
O que é Fé no Budismo?
Preciso ser vegetariano?
O que significa o Lótus?
Votação
Atualmente, qual preceito você tem mais dificuldade para manter?

 
Abstenção de matar intencionalmente.

 
Abstenção de tomar o que não foi dado (roubar).

 
Abstenção de conduta sexual imprópria.

 
Abstenção de linguagem incorreta.

 
Abstenção de tomar álcool e outros embriagantes.
Exibir resultados
Quem está conectado
5 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 5 Visitantes

Nenhum






Compartilhe | .
 

 A Meditação e o Mosquito: Uma Reflexão Sobre Concentração e Virtude

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Erick

Discípulos
avatar

Masculino
Local : Brasília - DF
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 5

Mensagem Seg 5 Jun 2017 - 9:00

Segue um texto pessoal para reflexão e debate:

A Meditação e o Mosquito: Uma Reflexão Sobre Concentração e Virtude.


Era uma das minhas primeiras práticas de meditação. Cheguei por volta de 7h no escritório, bebi uma xícara de chá verde, comi um pão e preparei-me para a prática. Como faço sempre, reafirmo o refúgio na Jóia Tríplice; o Buda, o Dhamma e a Sangha, e então inicio a meditação.
Nessa época, já conhecia o básico dos ensinamentos do Buda, como as três características da existência (anicca – impermanência, dukkha – sofrimento e anatta – não-eu), as Quatro Nobres Verdades (o sofrimento, a causa do sofrimento, a cessação do sofrimento e o caminho para a cessação do sofrimento) e os cinco preceitos (não matar seres vivos; não tomar aquilo que não foi dado; não ter comportamento sexual impróprio; não mentir; e, não consumir substâncias embriagantes que causam negligência).
No que diz respeito aos cinco preceitos, mais precisamente o primeiro, não matar seres vivos, já havia compreendido que não se tratava apenas de outros seres humanos, mas de todas as criaturas que compartilham da nossa existência no samsara, o ciclo de renascimentos do budismo.
Ao dirigir-me para o local de meditação, vi aquele que seria a causa do descumprimento do primeiro preceito, o mosquito. Notei aquele minúsculo ser, que contrastava com o fundo branco da parede, e logo imaginei que eu seria o seu café da manhã, assim como o chá verde e o pão foram o meu, uma vez que eu permaneceria imóvel pelos próximos quarenta e cinco minutos.
Naquele momento, nem me passou pela cabeça tentar capturá-lo e libertá-lo na janela para que seguisse seu rumo, o sentimento que eu tive, lamentavelmente, foi o de soberba. Internamente, o ego se manifestou da seguinte forma: “Quem essa criatura pensa que é para interferir na minha sessão de meditação?”. E então, com um maço de papel, apliquei-lhe um golpe e a pobre criatura permaneceu estática no chão. Naquele momento, ainda me foi concedida a oportunidade de redenção, pois o mosquito não estava morto, apenas atordoado, e eu poderia tê-lo recolhido e jogado-o pela janela. Nesse caso, haveria uma grande chance de sobrevivência para ele, mas o desfecho foi ainda mais cruel, recolhi a pequena criatura, e, com ódio, joguei-o no vaso sanitário e permaneci olhando para ter certeza de que ele desceria com a água e não mais retornaria.
Então, com aparente satisfação pelo “dever cumprido” e indiferença pela vida de outro ser, sentei-me para a meditação. Contudo, aquela prática foi uma das piores que já experimentei, se não a pior. Logo após os minutos iniciais, os quais chamo de período de adaptação ao silêncio, quando a consciência interior, aquela independente do ego, começa a se tornar um pouco mais presente, pude perceber a gravidade do ato. Matar intencionalmente um inseto, por si só, já é um ato lamentável, mas quando você o faz com ódio, o resultado é ainda pior.
O que era para ser uma meditação de quarenta e cinco minutos, foi abreviada para alguns poucos minutos, devido à agitação mental provocada pelo ato impensado.
Nunca fui uma pessoa cruel com os outros seres vivos de uma maneira geral, mas sempre existiram alguns que faziam parte da minha “lista negra” e um deles era o mosquito. Quanto a esses, considerados pelo ego como menos dignos em relação aos demais, não havia espaço para compaixão.
Contudo, como a vida é um eterno aprendizado, ao esforçar-me para melhor compreender a Primeira Nobre Verdade do budismo, o sofrimento, percebi que, pelo simples fato de termos nascidos neste mundo, estamos sujeitos a situações desagradáveis, e, a investida de um mosquito, é apenas uma insignificante amostra do que isso representa.
O mosquito não está entre as causas do sofrimento, assim como nenhum dos outros fatores externos, a causa está dentro de nós, no ego, que sempre busca atribuir valoração a fenômenos impessoais e impermanentes.
Veja bem, não estou fazendo apologia à dengue, à zika, à chicungunha e, tampouco, à febre amarela, uma vez que não considero conflitante com o budismo o ato da conscientização e prevenção da proliferação dos mosquitos, cuidando para que não haja acúmulo de água parada. Também, não é necessário permitir que o mosquito se alimente do nosso sangue, pois existem repelentes.
Não parece existir mérito em desejar o bem apenas para aquelas pessoas próximas: parentes e amigos. Da mesma forma, não faz muita diferença cuidar apenas daqueles animais considerados “fofinhos”: cães, gatos, etc. A virtude está na igualdade, tratar a todos da melhor forma, desejar a todos a melhor sorte.
Esse fato aconteceu realmente e foi narrado com o intuito de utilizá-lo como objeto de reflexão para uma relação de interdependência no budismo: o avanço na prática da meditação e o desenvolvimento de virtudes.
Se o ato praticado contra um mosquito foi suficiente para perturbar o resultado de uma prática meditativa, o que faria uma ação prejudicial a outro ser humano?
Qualquer pessoa pode beneficiar-se dos efeitos da meditação, basta que reserve um período do dia, sem interrupções, sente-se confortavelmente, concentre-se na respiração e, em pouco tempo, perceberá uma redução do estresse. Contudo, para o budista, a meditação é apenas um dos elementos da prática. Esse ponto, a meu ver, é o que diferencia a meditação budista das outras formas de meditação da moda.
O caminho budista está fundamentado em três pilares: sila – moralidade (ou virtude); samadhi – concentração; e, pañña – sabedoria, nessa ordem. Portanto, a sabedoria (pañña) só é alcançada pela prática continuada da meditação (samadhi), que, por sua vez, não se desenvolve se não houver um comprometimento do praticante em abandonar as ações não saudáveis e cultivar as ações saudáveis (sila).
Mas o que são as ações saudáveis e não saudáveis? Para responder a essa pergunta é preciso adentrar em um outro elemento de estudo do budismo, o kamma – carma.
Kamma – carma, para o budismo, é o produto de nossas ações, saudáveis ou não saudáveis, e um dos fatores determinantes para a condição na qual nos encontramos na presente vida, bem como o orientador para a nossa próxima existência. Esse é um dos temas mais interessantes do budismo e será objeto de um artigo próprio, em breve. Por enquanto, é suficiente saber quais são as ações não saudáveis e as ações saudáveis, que, por sua vez, produzem o kamma não saudável e o kamma saudável, respectivamente.
São dez as ações não saudáveis (akusala-kamma-patha) que produzem kamma não saudável, opostos às dez ações saudáveis (kusala-kamma-patha) que produzem kamma saudável, uma das muitas demonstrações de dualismo encontradas no budismo, e são classificadas em ações do corpo, da fala e da mente.
As três ações não saudáveis do corpo são: matar; roubar; e, ter conduta sexual imprópria. Em contrapartida, as três ações saudáveis do corpo são: proteger a vida, não só a dos seres humanos, mas também a dos demais seres vivos menos privilegiados; praticar a generosidade; e, desenvolver o contentamento e o respeito à outra pessoa.
As quatro ações não saudáveis da fala são: a linguagem mentirosa; a linguagem maliciosa; a linguagem grosseira; e, a linguagem frívola (fútil, inútil). Em contrapartida, as quatro ações saudáveis da fala são: a linguagem verdadeira, confiável; a linguagem conciliadora, que une as pessoas; a linguagem gentil, que agrada as pessoas; e, a linguagem oportuna, sábia, de acordo com o Dhamma.
As três ações não saudáveis da mente são: cobiça ou inveja; má vontade; e, entendimento incorreto. Em contrapartida, as três ações saudáveis da mente são: contentar-se com a própria aparência e com aquilo que se possui, e alegrar-se pela aparência dos outros e pelo que as outras pessoas possuem; abandonar o entendimento de que existe um eu, um ego que comanda as nossas ações, e desenvolver a boa vontade; e, entender corretamente o Dhamma, um dos passos do Nobre Caminho Óctuplo, entender as Quatro Nobres Verdades.
Assim, o cultivo das ações saudáveis atua concomitantemente na produção de kamma saudável, importante para equilibrar o kamma não saudável produzido nesta e em existências anteriores, bem como suporte para o aumento da concentração na meditação, uma vez que os estados mentais inábeis são causas frequentes de interferências na prática e o desvio de pensamentos, dificultando consideravelmente o avanço no caminho budista.
Adicionalmente, temos no budismo a lista das dez perfeições – parami, um conjunto de virtudes que conduzem a pessoa ao estado de um Buda, as quais podemos, na medida das nossas limitações, tentarmos coloca-las em prática, quais sejam:
Dana – generosidade; sila – moralidade; nekkhamma – renúncia; pañña – sabedoria; viriya – energia; khanti – tolerância; sacca – fidedignidade; adhittana – determinação; metta – amorisidade; upekkha – equanimidade.
É importante pesquisar e estudar para entender qual o significado de cada uma dessas virtudes, uma vez que, dificilmente, uma única palavra de nosso idioma moderno é suficiente para exprimir todo o sentido do vocábulo em páli.
Voltar ao Topo Ir em baixo
https://pensamentobudista.wordpress.com/
William - Admin

Admin
avatar

Masculino
Local : SP
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 494

Mensagem Dom 11 Jun 2017 - 8:24

Lendo o seu texto, lembrei do relato do Ajahn Brahmavamso (Budismo Theravada - Tradição das Florestas da Tailândia) sobre suas dificuldades em lidar com os mosquitos na Tailândia, que perturbavam sua meditação. Quando ele relatou essas dificuldades para seu mestre, Ajahn Chah, ele disse que a partir daquele momento ele não seria mais o mestre de Ajahn Brahm, pois seu novo mestre eram os Ajahns "Mosquitos"  Sorridente É isso que significa aquela frase "Quando o discípulo está pronto, o mestre aparece.". Qualquer coisa, qualquer ser ou qualquer evento pode ser nosso mestre, desde que sejamos humildes e atentos o suficientes para aprender com a realidade a cada instante.
E de fato uma coisa que sempre percebemos na prática do Dhamma é que Virtude (Sila) é a base para Concentração (Samadhi). Uma mente virtuosa, contente, fácil de satisfazer, amorosa e paciente sempre se aquieta com muito mais facilidade e gentileza... conduzindo-se para estados mais profundos de unificação da mente.  Grato

É como aquela causalidade explicitada pelo Buddha no Kimatthiya Sutta:
virtude -> libertação do arrependimento -> satisfação/contentamento -> Êxtase -> Calma -> Felicidade -> Concentração -> Conhecimento e visão das coisas como realmente são -> Desencantamento e Desapego -> Libertação... Nibbana. - Kimatthiya Sutta

É muito interessante quando nos propomos a abandonar nossas percepções habituais e tentamos estar cientes de algo partindo de uma base de calma, amorosidade e acolhimento. Me lembro que após algumas experiências com mosquitos, acabei me acostumando com eles de certa forma... às vezes sentia cócegas na meditação, e quando ia ver era um mosquito me picando... no começo a reação imediata, bem rápida, era de tapear o mosquito para matá-lo... Mas depois a minha atenção começou a se direcionar para a própria sensação da picada, e então eu percebia que não era grande coisa. Aí você percebe como a Atenção Plena pode ir além dos condicionamentos, para se lembrar de que tudo é impermanente, inclusive as experiências e as preferências! E então surgem as manifestações de desejo, aversão, cobiça, raiva, inquietação, preguiça... mas essas coisas já não nos movem nem nos aprisionam tanto como antes. A mente vai sendo menos agitada por isso, e a percepção e lembrança da impermanência vai se tornando mais presente... Obrigado pelo texto! Feliz
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://sangha-online.forumeiros.com
Erick

Discípulos
avatar

Masculino
Local : Brasília - DF
Define-se budista? : Sim
Mensagens : 5

Mensagem Qua 28 Jun 2017 - 12:41

Gratidão pelo comentário
Voltar ao Topo Ir em baixo
https://pensamentobudista.wordpress.com/
Conteúdo patrocinado



Mensagem

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

A Meditação e o Mosquito: Uma Reflexão Sobre Concentração e Virtude

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Meditação em trechos Bíblicos
» ECLESIASTES para sua meditação.
» COLOQUE UM VERSICULO DA BIBLIA TODOS OS DIAS PARA A MEDITAÇÃO DOS USUARIOS .
» Problema - (mosquito da dengue)
» MEDITAÇÃO A SÉRIO

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Budismo - Sangha Online :: Comunidade :: Chat-